16.11.10

não tenho medo das ilusórias certezas que cruzam a minha mente milhares de vezes, consigo libertar-me dos tantos pensamentos enclausurados na minha cabeça. desenfreadamente pego no relógio e adianto-lhe umas horas, só para ser mais fácil controlar a minha ansiedade com o tempo. ouço a energia da chuva a bater no vidro enquanto sinto o fogo da lareira a queimar o frio que sinto em mim, aquele afectuoso calor que me aconchega e me leva a repousar sobre a minha fraqueza. acordei com o teu murmurar suave ao meu ouvido, nunca me tinhas tocado assim, com tanta delicadeza. não deixaste nenhum espaço entre as palavras, alias não deixaste nenhum espaço entre os nossos lábios.

11 comentários:

patrícia disse...

simplesmente perfeito melhor (L)

patrícia disse...

lyt, a lot @

patrícia disse...

nada disso bff :c

Manuela disse...

só posso falar uma coisa...

U-A-U!!

adorei! to te seguindo! beijos!!

Manuela disse...

U-A-U

catty disse...

de nada, sigo porque gostei do blog :)

sandra disse...

gostei :)

Ouro azul disse...

Olá :)
Visita e segue o blog da água, e mantém-te atento a este recurso natural tão importante.
Obrigada, Ouro Azul.

Sara. disse...

Que belo texto!

Sara. disse...

obrigada eu :)

Palavras Guardadas disse...

Derreti-me todinha ao ler estas belas palavras *.*
Está lindíssimo