4.9.10

carta

ela pensou muito antes de abrir a carta dele, temeu o que lá poderia ter escrito .abriu-a e já as lágrimas lhe escorriam pelo o rosto manchado da luz e do calor do sol, mal ela conseguia ver as letras lá espalhadas naquele papel sem qualquer cor, letras que ela não conseguia perceber não por ele ter uma caligrafia demasiado própria mas sim porque o seu coração estava afrontado .
ganhou coragem e começou a ler e ouviu pequenos ruídos que vinham dentro dela , era o seu coração a partir-se, desfazer-se em pó a ser permanentemente molhado pelas gostas salgadas que vinham dos seus olhos .na carta ele tinha escrito isto :
"sabes, eu fui-me embora não por não te amar, não por não seres especial para mim mas sim porque precisava de me conhecer, conhecer-me primeiro antes de me matar não por fora mas por dentro sem nunca me ter conhecido. talvez tenha sido cobarde por te ter deixado sozinha aí sentada e nem te ter dado apenas uma explicação. juro-te que quando me encontrar vou logo procurar por ti, pela mulher da minha vida, amo-te e nunca duvides “
quando acabou de a ler, fechou-a e apertou-a com força junto ao seu coração, as lágrimas secaram e sorriu não por ela o amar , mas apenas por saber que ele a ama .

1 comentário:

cátia oliveira disse...

perfeito :|